Blog

Novas técnicas dominam debates no VIII Simpósio Recife-Detroit, no HCP

 

recife-detroit2.JPG

Especialistas do Karmanos Cancer Institute, nos EUA, vieram ao Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP), na última quinta-feira (26), para participarem do VIII Simpósio Recife-Detroit. O evento, realizado anualmente em parceria com a Detroit International Research & Education Foundation (Diref), reuniu médicos especialistas em oncologia para discutir temas relacionados aos avanços e às novidades no tratamento do câncer. Entre os destaques, as palestras de oncogenética e crioterapia, ministradas pelos médicos convidados dra. Nancie Petrucelli e dr. Hussein Anou, respectivamente.

O VIII Simpósio Recife-Detroit contou, ainda, com a presença do urologista cearense dr. Edson Pontes, responsável pela organização do evento, e do cirurgião dr. Donald Weaver. Mantendo a tradição, os médicos participaram de uma cirurgia que foi transmitida ao vivo para os profissionais que estavam presentes no evento. Este ano, a intervenção cirúrgica foi realizada em uma paciente com câncer colorretal. O caso foi apresentado pela médica residente dra. Cecília Lima e discutido pelo cirurgião dr. Kleber Garcia. “É um paciente com estágio tumoral avançado, um caso típico que chega para nós. Nesse caso, a paciente ainda é passível de intervenção curativa”, detalhou.

Ao longo da manhã, foram realizadas palestras, discussões e estudos de casos sobre oncologia cirúrgica, oncogenética, radioterapia, crioterapia e urologia oncológica, com a participação de médicos da casa. “Esse tipo de evento tem um significado muito grande para todos nós e, especialmente, para o HCP. A retomada do ensino e pesquisa e a formação de profissionais voltados para o atendimento e a assistência de pacientes com câncer é um desafio muito grande, mas temos certeza de que estamos no caminho certo. Gostaria de agradecer ao dr. Edson Pontes por trazer esse conhecimento para nós”, afirmou o superintendente Geral e de Ensino e Pesquisa do HCP, dr. Hélio Fonsêca.

De acordo com o urologista e coordenador do evento, dr. Felipe Dubourcq, o principal objetivo do evento é criar um vínculo com os médicos do Karmanos Cancer Institute. “A nossa ideia é que vocês (médicos) possam entrar em contato com eles e visitarem o Karmanos Cancer Institute, diminuindo essa distância e aumentando a possibilidade de conhecimento para nós”, destacou. Assessor de Ensino e Pesquisa do HCP, dr. Guilherme Costa destacou a importância do evento. “É um momento muito importante para nós, uma vez que esse simpósio nos traz a possibilidade de aprendizado sobre as novas opções de tratamento direcionadas ao câncer”, reforçou. O Secretário de Saúde do Estado, dr. Iran Costa, também compareceu ao evento.

recife-detroit4.JPG

SOLENIDADE

À noite, os especialistas se encontraram no Restaurante Spettus, em Boa Viagem, para mais uma rodada de palestras. A exposição sobre o “Tratamento Intervencionista Crioablação” foi realizada pelo médico convidado dr. Hussein Aoun. Já o médico dr. Maurício Viana abordou as novidades da ASCO GU, evento sobre câncer urológico realizado no último mês de fevereiro. 

“Esse evento já faz parte do calendário médico pernambucano. Gostaria de agradecer ao dr. Edson Pontes e ao HCP por essa oportunidade. O Estado de Pernambuco está de braços abertos para que possamos fazer parcerias, com o apoio da Secretaria de Saúde”, afirmou o secretário de Saúde do Estado, dr. Iran Costa. Marcaram presença, ainda, os superintendentes Geral e de Ensino e Pesquisa, dr. Hélio Fonsêca; Financeiro, André Amarante; Geral do Gestão HCP, Felipe Bitu; e do assessor de Ensino e Pesquisa, dr. Guilherme Costa.

recife-detroit6.jpg

 

Coral Ressoar comemora cinco anos de existência

DSC07689.JPG

Há cinco anos, as fonoaudiólogas do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) tiveram uma ideia ousada: formar um coral com os pacientes da instituição que, devido ao câncer, haviam retirado a laringe, órgão que abriga as cordas vocais. Alguns ensaios depois, nascia o Coral Ressoar. Na manhã da última segunda-feira (23), o Coral Ressoar realizou uma apresentação especial na Capela do HCP, em comemoração pelo seu quinto aniversário. Uma celebração que uniu cantores, fonoaudiólogos, superintendentes, voluntários, familiares e fãs desse coral improvável. Após a apresentação, uma missa em ação de graças foi celebrada no local.

DSC07684.JPG

Entre tantas atribuições, o serviço de Fonoaudiologia é responsável pela reabilitação dos pacientes que precisaram retirar a laringe após o diagnóstico de câncer na região. Uma das sequelas da laringectomia, como é chamado esse procedimento cirúrgico, é a perda da fala. Durante a reabilitação fonoaudiológica, os pacientes aprendem a voz esofágica, uma forma de emitir os sons através das contrações do esôfago. O processo de aprendizado da voz esofágica é árduo e depende muito da dedicação do paciente. Em alguns casos, são necessários anos até obter a fluência.

Foi nesse grupo de pacientes que Roberta Borba, hoje coordenadora do Serviço de Fonoaudiologia do HCP, viu a oportunidade de criar o Coral Ressoar. A proposta surgiu no começo de 2013, quando as fonoaudiólogas da instituição estavam planejando o que poderia ser feito em alusão ao Dia da Voz, celebrado anualmente em 16 de abril. “Nós tivemos essa ideia de reunir esses pacientes e mostrar que eles poderiam se superar após a doença e o tratamento que enfrentaram”, contou.

À frente do Coral está a fonoaudióloga Érika Espíndola, responsável pela escolha das músicas, pelos ensaios mensais e pela organização dos pacientes nos dias de apresentação. “São pessoas que há anos atrás receberam o diagnóstico de que não iriam mais falar. Agora, eles são guerreiros que estão vivendo suas vidas normalmente, é um prazer muito grande vê-los cantando”, reforçou.

Ronaldo Rodrigues está no coral desde a sua formação inicial, quando contava com cerca de cinco membros. Na época, ele ainda estava em tratamento e reaprendendo a falar. O grupo, disse ele, foi muito importante para esse processo de aprendizado. “Minha voz melhorou bastante depois que comecei a participar do coral. Hoje, estamos sendo reconhecidos por esse trabalho. Que ele continue e vá muito além”, frisou. Na segunda-feira, o veterano cantou ao lado de Aridelson da Silva, que participou da sua primeira apresentação. “Estou muito feliz, satisfeito de coração. É um incentivo muito importante”, afirmou. Diagnosticado com câncer em 2016, seu Aridelson demorou seis meses para aprender a voz esofágica.

DSC07695.JPG

Ronaldo Rodrigues e Aridelson da Silva participaram de apresentação em comemoração pelo aniversário do Coral Ressoar

Superintendente Geral do HCP, dr. Hélio Fonsêca parabenizou os integrantes do coral e presentou às fonoaudiólogas pelo trabalho desenvolvido. “Vocês têm uma razão a mais para comemorar, porque além de terem concluído o tratamento, vocês se reinseriram socialmente. O mais bonito disso tudo é como essa voz de vocês chega ao coração da gente”, ressaltou. Presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer, Maria da Paz também entregou presentes para os integrantes do coral. “É uma honra para nós, voluntárias, compartilhar desse dia com vocês”, afirmou.

DSC07726.JPG

 

Show beneficente no Classic Hall arrecada R$ 80 mil para o HCP

the-fevers.JPG

Uma noite para rememorar os clássicos que marcaram a Jovem Guarda e, sobretudo, para fazer o bem. No último sábado (14), uma plateia animada lotou o Classic Hall para assistir aos shows de The Fevers, Pholhas e Fernando Mendes e, especialmente, para colaborar com os pacientes do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) e do Grupo de Ajuda à Criança Carente com Câncer (GAC). Isso porque a renda da bilheteria do show beneficente foi direcionada para essas duas instituições, sendo R$ 80 mil destinados para o HCP e R$ 20 mil para o GAC.

Baterista dos Pholhas, Paulo Fernandes aproveitou o show para destacar a importância dessa ação. “Nós estamos muito satisfeitos em participar desse evento porque é um evento do bem. É uma ação muito especial por ser em prol do HCP, para os nossos irmãos que precisam. Queria agradecer a presença de vocês nessa festa”, afirmou, em meio a aplausos da plateia. Fernando Mendes, segundo músico a subir ao palco, concordou: “a importância dessa festa é o HCP. Obrigada a vocês que estão aqui participando dessa campanha”.

cheque-classichall.JPG

A ideia de realizar o show beneficente veio de Antônio Gonçalves, que esteve à frente do Classic Hall por 18 anos e resolveu promover esse evento para marcar a sua despedida. “Esse show foi uma oportunidade de servir a outras pessoas. Que essa iniciativa possa servir de exemplo. Agradeço de coração a todos vocês que estão aqui e, especialmente, a todos os nossos patrocinadores”, afirmou, durante a entrega dos cheques simbólicos, que aconteceu no intervalo entre os shows de Fernando Mendes e de The Fevers.

Superintendente Administrativa do HCP, Cláudia Barbosa foi a responsável por receber o cheque simbólico em nome da instituição. “Nós ficamos muito gratos pelo Classic Hall ter aberto as portas para fazer um show beneficente para nós. E a melhor forma de agradecer é prestando conta do trabalho que realizamos diariamente aqui no hospital, e fazemos isso cotidianamente. Essa renda irá contribuir para que o HCP possa continuar a fazer essa prestação de serviços que é tão importante”, declarou.

palco-alto.JPG

 

 

Ex-jogador e embaixador do Barcelona, Éric Abidal visita o HCP

domingo-abidal3.JPG

Muitos acontecimentos são capazes de transformar a vida das pessoas. O câncer é um deles. Diagnosticado com um tumor no fígado em 2011, o então jogador do Barcelona Éric Abidal fez da sua vivência um ponto de partida para criar a Éric Abidal Foundation, uma organização idealizada, entre outras coisas, para apoiar crianças que estão em tratamento contra a doença. Agora, já curado, o ex-atleta aproveita as viagens que faz para conhecer a realidade do tratamento de câncer mundo afora e, de alguma forma, colaborar com as instituições. No último domingo (15), o Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) foi escolhido para receber a visita do jogador.

No HCP, Éric Abidal e a coordenadora da fundação, Andréa Martí, foram recepcionados por uma comitiva liderada pelo superintendente Geral do HCP, dr. Hélio Fonsêca. O grupo visitou os serviços de Quimioterapia, os ambulatórios e as enfermarias Santa Águeda e Anjo Rafael. Foi lá, inclusive, que Abidal distribuiu presentes e conversou com as crianças e os adolescentes internados. Paciente do HCP há quatro meses, Jamille Soares veio de Rondônia para realizar seu tratamento contra um câncer ósseo no HCP. “Eu gostei porque ele veio e me deu muita força mostrando que ele venceu e que nós podemos vencer igual a ele. Me sinto muito mais fortalecida”, contou.

Éric Abidal chegou ao Recife no sábado (14) para participar da partida épica entre o Barcelona Legends e a Seleção Pernambucana Legends, realizada na Arena Pernambuco. A visita ao HCP foi incluída na sua agenda por vontade própria – ou, na verdade, por uma missão. “É sempre um prazer visitar crianças e famílias em hospitais, trazer um pouco de alegria, ver sorrisos. Sempre aproveito as viagens com o Barcelona Legends para realizar atividades da fundação. Não podemos fazer uma viagem de 23 horas apenas para uma partida e esquecer as pessoas que precisam”, reforçou.

Para dr. Hélio, a visita de Éric trouxe muita emoção para todos que fazem parte do HCP. “A vinda desse profissional é uma satisfação muito grande, que não conseguimos mensurar. Ele é um exemplo de vida pelo que ele já vivenciou. Agora, ele teve a oportunidade de conhecer o trabalho gigantesco que realizamos em Pernambuco: a prestação de serviços que o hospital oferece aos pacientes que procuram essa instituição”, declarou. O sentimento do jogador diante de todo esse trabalho? “Vocês fazem com o coração”, afirmou.

domingo-abidal1.JPG

 

domingo-abidal4.JPG

 

 

UPAE Arruda realiza atividades em alusão ao Dia Mundial da Saúde

dia-mundial-saude-arruda.jpg

Na última quarta-feira (11), a UPAE do Arruda – Deputado Antônio Luiz Filho promoveu, para os seus pacientes, palestras sobre Alimentação Saudável e sobre Direitos e Deveres dos usuários do SUS. Também foi disponibilizada aferição de pressão e HGT (teste de dosagem do nível de glicemia). As atividades fazem parte das comemorações pelo Dia Mundial da Saúde, ocorrido em 7 de abril.“Aqui na unidade, além dos serviços de saúde, nós temos o compromisso de levar conhecimentos que repercutam positivamente na qualidade de vida dos nossos pacientes”, esclareceu a coordenadora Geral da UPAE, Adriana Bezerra. As palestras aconteceram nas salas de espera da unidade. A nutricionista Silene Veras falou sobre os 10 passos para uma alimentação saudável. Entre eles, limitar o consumo de alimentos processados e fazer de alimentos in natura, ou minimamente processados, a base da alimentação. Também foram distribuídos panfletos educativos.

Um material informativo foi entregue também durante a palestra sobre o SUS, ministrada pela assistente social Rejane Moura, com apresentação da enfermeira Veridiana Maia. “Tudo o que vier agregar para a gente saber mais sobre os nossos direitos e deveres é importante”, avaliou a paciente da unidade, Elisete Ferreira de Souza, moradora do Ibura/UR-04. O motorista Anderson Coutinho de Oliveira, morador de Piedade, por sua vez, também elogiou a iniciativa. “Aproveitei para aferir a pressão e a taxa de glicose e está tudo bem”, afirmou.

dia-mundial-saude-arruda2.jpg

Semana – As comemorações do Dia Mundial da Saúde, na UPAE Arruda, terminaram na última quinta-feira (12), com uma dinâmica elaborada pela equipe de Psicologia para os funcionários. Na terça-feira passada (10), os usuários da unidade receberam orientações e fizeram atividades físicas com uma equipe da Academia da Cidade, do distrito sanitário II. Eles também assistiram a uma palestra com o tema: Interação Medicamentosa: Cuidados e Mitos. Unidade da Prefeitura do Recife, a UPAE do Arruda está sob administração do HCP Gestão.

HCP conscientiza população sobre câncer ósseo

destaques-site.jpg

O câncer ósseo é um tipo raro de câncer: representa menos de 2% do total de tumores malignos diagnosticados no mundo. No entanto, apesar de incomum, apresenta alta taxa de mortalidade, especialmente por possuir sintomas que são negligenciados, dificultando o diagnóstico precoce e diminuindo a chance de um bom prognóstico. Para chamar a atenção da população acerca dessa doença, o Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) desenvolve, há quatro anos, o Abril Amarelo, campanha direcionada para a conscientização sobre o câncer ósseo.

Assim como as demais formas de câncer, os tumores ósseos surgem a partir da multiplicação anormal das células dos ossos. Esses tumores podem ser classificados em primários, quando surgem no próprio osso, ou secundários, quando são resultados de metástases, ou seja, de um câncer que surgiu em outra parte do corpo e se espalhou para os ossos. No primeiro caso, são mais comuns em crianças e adolescentes e afetam, em mais de 50% dos casos, a área do joelho. Já no segundo, são mais frequentes em idosos.

Entre os sintomas da doença, a dor óssea que dura mais de quinze dias e que não alivia mesmo com o uso de medicamentos é o maior sinal de alerta. Segundo o chefe do Serviço de Ortopedia Oncológica do HCP, dr. Marcelo Souza, outros sintomas como inchaço no membro, limitação dos movimentos, fratura óssea e rápida perda de peso, podem demorar até meses para aparecer, a depender do tipo de câncer. “É por isso que reforçamos a importância de se procurar um especialista quando a dor persistir. O nosso papel é descobrir se essa dor óssea é um sintoma de câncer ou não, assim conseguimos surpreender o tumor e trata-lo ainda no começo”, alerta o médico.

O diagnóstico precoce, aliás, é essencial para que o tratamento obtenha resultados positivos. “Se o paciente chega com um tumor em fase inicial, conseguimos realizar cirurgias melhores, com menos agressão à região acometida e com preservação do membro. No entanto, se ele chega com um tumor avançado, com metástase, a sobrevida é bem menor. Precisamos dar valor ao câncer ósseo, porque mesmo sendo raro, ele tem um índice de mortalidade alto. E tudo depende dessa palavra-chave: diagnóstico precoce”, enfatiza o médico.

 

Ações educativas marcam o Dia Mundial de Combate à Tuberculose na UPAE Arruda

 

upae-tuberculose-2.jpg

A Unidade Pública de Atendimento Especializado (UPAE) Deputado Antonio Luiz Filho, no Arruda, realizou, no último dia 23, um evento para marcar o Dia Mundial de Combate à Tuberculose. O pneumologista da unidade, Amaro Capistrano e a enfermeira responsável pelo ambulatório, Veridiana Ferreira, promoveram mini-palestras sobre a doença.

A exposição foi para usuários e acompanhantes nas salas de espera da unidade. No encontro, foram abordados a importância da vacinação, formas de transmissão e os cuidados para aqueles que já adquiriram a doença. Também foi distribuído material educativo. A organização foi da coordenadora geral da UPAE do Arruda, Adriana Bezerra. Unidade da Prefeitura do Recife, a UPAE do Arruda é administrada pelo HCP Gestão.

Tuberculose - Trata-se de uma doença infecto-contagiosa, transmitida pela bactéria (Bacilo de Koch) e afeta principalmente os pulmões, podendo atingir outros órgãos como os rins e as membranas que envolvem o cérebro.

 

 

HCP inicia dois novos programas de residência médica 

residentes-pato-anestesio.JPG

Duas novas médicas chegaram, na última segunda-feira (19), para completar a equipe de residentes do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP). Daniele Magalhães e Luiza Rego são as primeiras profissionais selecionadas para os novos programas de residência médica da instituição: Patologia e Anestesiologia, respectivamente. A recepção das residentes ocorreu na Biblioteca da Superintendência de Ensino e Pesquisa (SEP) do HCP.

O início dos novos programas reforça o processo de consolidação das residências médicas da instituição, que foram retomadas em 2014. A prova disso é que, no último processo seletivo realizado pela Secretaria de Saúde de Pernambuco, dos quatro programas de residências médicas oferecidas pelo HCP, três deles se destacaram por ser a primeira opção dos candidatos: Mastologia, Cirurgia de Cabeça e Pescoço e Cancerologia Cirúrgica.

“É com muita satisfação e alegria que conseguimos ampliar as nossas residências para duas novas áreas. Há uma necessidade dominante em profissionais de patologia e de anestesiologia no mercado e conseguir formar pessoas no HCP traz uma motivação muito grande para a gestão. Estamos lutando, agora, para que todos os nossos programas se firmem como a primeira opção dos candidatos”, afirmou o superintendente Geral e de Ensino e Pesquisa do HCP, dr. Hélio Fonsêca.

Durante a cerimônia de boas-vindas, as novas residentes conheceram mais sobre a instituição. “Quero que vocês se lembrem de cuidar das pessoas, e não apenas da doença que elas possuem. Nós temos esse compromisso”, afirmou dr. Guilherme Costa, que integra a Superintendência de Ensino e Pesquisa do HCP, aproveitando a ocasião para parabeniza-las. O evento contou com a presença, ainda, do superintendente Técnico, dr. Fábio Malta, e da superintendente Administrativa, Cláudia Barbosa, além do coordenador do Serviço de Anestesiologia, dr. Breno Fonsêca e do supervisor administrativo do Serviço de Patologia, Thiago Castro.

Formada em Medicina pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), dra. Luiza Rego escolheu se especializar em Anestesiologia pela afinidade que teve pelo assunto ainda durante a faculdade. Já a escolha pelo HCP ocorreu tanto pelo nome da instituição quanto pela vontade de trabalhar com pacientes oncológicos. “Mexer com drogas e aliviar a dor dos pacientes, permitindo que eles tenham condições de passar por procedimentos cirúrgicos e sair bem deles é algo que me chama a atenção”, afirmou.

Já dra. Daniele Magalhães, formada em Medicina pela Faculdade Pernambucana da Saúde (FPS), enxerga na residência o início de uma jornada direcionada para o ensino e a pesquisa. “O HCP tem uma história muito forte e muito material para nosso crescimento profissional. Tenho interesse em docência e a patologia tem espaço para isso. Vou ser feliz com essa escolha”, revelou. 

 

Disfagia: sintomas, riscos e qualidade de vida

destaque-disfagia.jpg

Do momento que entra na nossa boca até a hora que chega ao estômago, o trajeto que a saliva e os alimentos percorrem é bastante longo. Embora pareça simples, esse processo é, na verdade, resultado do trabalho em conjunto de muitos órgãos, músculos e nervos. Quando há uma falha nesse caminho, surge a dificuldade de engolir: é a chamada disfagia. Para conscientizar a população sobre esse distúrbio, comum em pacientes oncológicos, o dia 20 de março é celebrado, em todo o País, como Dia de Atenção à Disfagia.

Entre os pacientes oncológicos, a disfagia atinge, especialmente, aqueles que estão em tratamento de tumores de cabeça e pescoço, esôfago, estômago, pulmão, sistema nervoso central (SNC) e mama, além de pacientes que apresentam metástases que comprometam a função de respiração e/ou o nível de consciência. As sessões de radioterapia, quimioterapia e a cirurgia que são realizadas durante o tratamento do câncer também contribuem para o desenvolvimento do distúrbio.

Tosses ou engasgos durante ou após as refeições, dor ao engolir, sensação de comida ou saliva parada na garganta e alimentação mais lenta do que o habitual estão na lista dos principais sintomas da disfagia. No caso de pacientes traqueostomizados, também é preciso ficar atento à saída de alimentos pela traqueostomia, abertura feita na parede da traqueia para facilitar a entrada do oxigênio. 

“O fonoaudiólogo é o profissional habilitado para avaliar, diagnosticar e reabilitar as dificuldades de deglutição, bem como para identificar potenciais riscos para a disfagia. No entanto, o trabalho de uma equipe multidisciplinar composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, nutricionistas, psicólogos, fisioterapeutas, farmacêuticos e odontólogos são essenciais para a melhora desse sintoma”, destaca a fonoaudióloga do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP), Danielle Terto.

Segundo a especialista, algumas regras são importantes para que o paciente com disfagia consiga realizar sua alimentação com segurança, entre eles: permanecer sentado com os pés apoiados no chão ou com o tronco elevado durante e após a refeição; ficar atento à quantidade e velocidade da oferta do alimento; e ingerir alimentos com a consistência mais segura, que não provoque desconforto durante a refeição. “Vale salientar que a consistência mais segura é aquela que não oferece riscos de alteração da deglutição ou a presença de broncoaspiração - por isso, o olhar do profissional especializado, o fonoaudiólogo, é indispensável”, reforça Danielle.

Essas sugestões são importantes para evitar que o paciente sofra com problemas mais graves. “Além de acometer emocionalmente o paciente, favorecendo o isolamento social, a disfagia pode causar problemas como desidratação, desnutrição e pneumonia, além de aumentar o risco de morte por asfixia”, detalha.

 

Liacon 2018: HCP prorroga prazo para inscrições

destaque-prorrogado-liacon-site.jpg

O Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) prorrogou as inscrições para o processo seletivo da sua Liga Acadêmica de Oncologia (Liacon). Agora, os estudantes de Medicina interessados em participar da seleção terão até às 13h do próximo dia 9 de abril para realizar a inscrição. Direcionado exclusivamente para estudantes de Medicina, o programa seleciona 20 estudantes para vivenciar, por um ano, a rotina do HCP, instituição responsável por atender cerca de 40% dos pacientes com câncer de Pernambuco. As inscrições custam R$ 100 e podem ser feitas na Superintendência de Ensino e Pesquisa do HCP.

Podem participar do processo os estudantes de Medicina que estejam cursando entre o terceiro e o nono período da graduação. Entre os dias 9 e 13 de abril, os inscritos participarão de um Curso Preparatório, com aulas sobre Ortopedia Oncológica, Cuidados Paliativos, Mastologia, Cirurgia Torácica, Oncologia Clínica, Oncoginecologia, Oncologia Cirúrgica, Pediatria Oncológica, Uro-Oncologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço, que serão ministradas por especialistas do próprio HCP. No dia 18 de abril, às 19h, será realizada uma prova classificatória, que irá selecionar os 20 alunos que farão parte da Liacon 2018. A listagem final com o nome dos aprovados será divulgada no dia 20 de abril.

De acordo com o cirurgião e coordenador da Liacon, dr. Josimário Silva, a Liga Acadêmica de Oncologia do HCP é uma maneira de aproximar os estudantes de medicina da realidade dos pacientes oncológicos. “A liga acadêmica se propõe a ter o papel de proporcionar aos alunos a vivência prática. No caso do paciente com doença oncológica, eles aprendem não só a fazer atendimentos e exames, mas vivenciam todos os processos pelos quais esses pacientes passam, desde a sua chegada até o fim do tratamento”, afirma.

INSCRIÇÕES

Para realizar a inscrição, é necessário se dirigir à Superintendência de Ensino e Pesquisa (SEP) do HCP e apresentar original e cópia do RG e do CPF, além de uma declaração da faculdade que informe o período que o aluno está cursando. A SEP funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone 3217.8197. 

DOCUMENTOS

Novo cronograma Liacon 2018

Edital Liacon 2018

 

 

Avenida Cruz Cabugá, 1597, 50040-000, Santo Amaro - Recife - PE
Ligue: (81) 3217-8000
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Redes Sociais