Profissionais HCP - HCP - Hospital de Câncer de Pernambuco

Profissionais HCP

 

No último dia 19, o HCP sediou o II Simpósio de Fonoaudiologia em Oncologia, com o tema Atualidades na Reabilitação do Laringectomizado Total. O evento reuniu profissionais do corpo clínico do HCP e de outras instituições. Estudantes da área de saúde também estiveram presentes.

Dr. Fábio Malta, superintendente técnico do HCP, fez a abertura do evento e destacou a importância do ensino e da pesquisa para a instituição. “A retomada dos programas de residência médica reafirma o compromisso do hospital com a produção científica e a constante atualização dos profissionais”, afirmou. 

Em seguida, Roberta Borba, coordenadora do serviço de Fonoaudiologia, abordou a reabilitação dos pacientes laringectomizados no HCP. “Aqui, utilizamos a voz esofágica como método de reabilitação vocal. Atualmente, cerca de 40 pacientes são ativos”, pontuou. Ainda de acordo com Roberta, esse número poderia ser maior, mas a distância geográfica (já que muitos pacientes são do interior do estado) dificulta o tratamento. 

A atuação da equipe multiprofissional após a laringectomia também foi discutida no Simpósio, durante a mesa redonda coordenada pela fonoaudióloga Ana Maria Araújo. Para finalizar o evento, o psico-oncologista José Cruz, que é laringectomizado total, deu o seu depoimento e falou sobre as dificuldades e os momentos de superação após a cirurgia. 

Veja as fotos:

Se tem uma coisa que a gente não costuma valorizar no nosso dia a dia, é a importância da voz, da fala/articulação, da mímica facial, da mastigação, do ato de engolir e de uma respiração plena. Muitas vezes impedidos de manter essas funções intactas, o paciente com câncer precisa iniciar um processo de terapia com técnicas para reabilitar ou adaptar-se a sua condição atual e conviver com as mudanças decorrentes da cirurgia, quimioterapia ou radioterapia. É aí que entra o profissional de Fonoaudiologia, para auxiliar o processo de reabilitação ou adaptação dessas pessoas, em busca de um bom padrão de comunicação e qualidade de vida.

O objetivo é muito simples: buscar a funcionalidade das estruturas remanescentes. No caso em que o tratamento indicado seja retirar uma parte da língua, por exemplo, dependendo do tamanho que foi retirado, o paciente pode apresentar tanto problemas na fala, como também no processo de deglutição. E assim, a cada paciente que chega, a proposta das técnicas e exercícios para adaptações das funções relacionadas à Fonoaudiologia, são selecionadas respeitando a individualidade de cada caso.

O Dia do Fisioterapeuta foi marcado no Hospital de Câncer de Pernambuco, com a realização do II Simpósio de Fisioterapia em Oncologia do HCP. O evento, que ocorreu na manhã desta terça feira (13), reuniu profissionais fisioterapeutas com o objetivo de compartilhar conhecimentos e experiências dentro do universo amplo e importante no qual consiste o trabalho da fisioterapia. Na mesa de abertura estiveram presentes o superintendente médico do Hospital, dr. Fábio Malta, a coordenadora geral de Fisioterapia, Luciana Mergulhão, e a coordenadora de Fisioterapia da UTI, Amanda Melo.

Em comemoração ao dia mundial dos Cuidados Paliativos e ao aniversário da Enfermaria São Lucas, o Hospital de Câncer de Pernambuco promoveu na última sexta feira (8), um momento de conscientização e conhecimento sobre o assunto. A abertura do evento ficou por conta do superintendente médico do HCP, Dr. Fábio Malta e da enfermeira Conceição Hander.

Hoje todos os colaboradores do Hospital de Câncer de Pernambuco têm motivos de sobra para agradecer e festejar. Maria da Paz Azêvedo Silva, Coordenadora da Rede Estadual de Combate ao Câncer de Pernambuco, comemora mais um ano de vida. Sempre  tão entregue à causa da solidariedade, ela recebeu hoje o carinho e o agradecimento das demais voluntárias da Rede Feminina, que se reuniram e prepararam uma festa surpresa. O resultado disso rendeu muitas homenagens, abraços, recordações e, claro, muita comemoração.

Que uma boa alimentação é necessária para o bem estar, todos já sabem. O consumo de uma alimentação balanceada e rica em legumes, frutas e verduras é fundamental para uma vida saudável. Mas quando se trata de um paciente oncológico, os cuidados devem ser ainda mais específicos.

Triagem, consultas, exames e alguma ansiedade para então chegar ao mais esperado: o diagnóstico. Você já parou para pensar em como tudo isso acontece? Alzira de Melo, citotécnica do Hospital de Câncer de Pernambuco há 54 anos e chefe da secretaria do Departamento de Patologia, conta como tudo começou: “Só existiam três pessoas trabalhando aqui. O que antes era pequeno, hoje eu posso dizer que mudou e avançou bastante”.

Há 25 anos dona Irene Elza experimentou sensações muito diferentes das que vivia em sua rotina de funcionária pública: descobriu que tinha um câncer. Dois anos depois, por conta de complicações pós-cirurgia, precisou do Espaço Renascer, do Hospital de Câncer de Pernambuco, para melhorar a mobilidade nos braços por meio de fisioterapia. Ali encontrou mais que apoio físico, encontrou uma família e um motivo para seguir sorrindo pela vida.

No Hospital de Câncer de Pernambuco, o serviço de Cuidados Paliativos vem sendo conduzido de maneira cuidadosa e inovadora por Conceição Hander de Lucena, que nessa entrevista conta um pouco de sua experiência à frente do departamento. Hander é também professora da Universidade Federal de Pernambuco, especialista em Suporte Avançado à vida – UTI e Emergência, entre outras atividades.

Os mais de 200 voluntários do Hospital de Câncer de Pernambuco serão homenageados nesta sexta-feira (28), a partir das 8h da manhã, quando é celebrado em todo o país o Dia Nacional do Voluntariado. O grupo do HCP é vinculado à Rede Feminina Nacional de Combate ao câncer e presta atividades no hospital desde a sua fundação, em 1945.