Destaque Inferior

Notícias quem ficam no destaque inferior da página inicial

Pacientes recebem tratamento de beleza no Hospital de Câncer

 

personagem-2.JPG

Maquiagem, limpeza de pele, design de sobrancelha, massagem e amarrações de lenço. As pacientes que estiveram no Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) na última segunda-feira (18) receberam uma manhã de tratamentos estéticos das mãos de 15 voluntários. Foi a terceira edição no HCP do ‘Beleza Pela Vida’, projeto que visa o resgate da autoestima de pessoas em tratamento contra o câncer. Desde outubro, os profissionais de beleza envolvidos na iniciativa ocupam o Ambulatório do Hospital com a missão de tornar mais leve e belo o dia dos pacientes.

Claudia da Silva, paciente há 13 anos, foi maquiada por uma das voluntárias do projeto. Ela, que sempre gostou de se cuidar, elogiou a ação: “Fazia muito tempo que eu não ficava tão feliz assim. Estou me sentindo uma diva hoje. Ganhei meu dia!”, contou. “Esses voluntários têm mãos mágicas e um coração generoso. Quando encontramos pessoas de coração bondoso, a gente se sente leve. Fico muito grata de conhecer pessoas assim”.

A maquiadora Izabelle Fernanda veio do município de Escada para participar como voluntária da ação. “É tão bom trabalhar para o próximo. O carinho que a gente recebe em troca, a alegria delas, não tem dinheiro que pague”, revelou.  Hoje, o ‘Beleza Pela Vida’ conta com 47 voluntários, entre eles maquiadores, cabelereiros, micropigmentadores e massoterapeutas. Apesar do número, o maquiador Gedson Moreno, responsável pelo projeto, reforça que mais voluntários são sempre bem vindos. “Estamos abraçando todos que pretendem se envolver com a causa”, disse.

De acordo com o superintendente Técnico do HCP, dr. Fábio Malta, essas ações que visam elevar a autoestima também podem trazer benefícios para a saúde do paciente. “Já existem algumas pesquisas que mostram que, quando o paciente está com o humor melhorado e a autoestima elevada, existe uma melhora no organismo e um fortalecimento no sistema imunológico”, detalhou o médico.

 

 

Residentes em Cirurgia de Cabeça e Pescoço apresentam monografia

medica2.JPG

Os profissionais do Serviço de Cabeça e Pescoço do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) se reuniram, em novembro, para prestigiar a finalização da segunda turma de Residência Médica em Cirurgia de Cabeça e Pescoço da instituição. No último dia 21, os médicos residentes dr. Gilberto Tenório, dra. Cibele Coelho e dra. Eduarda Penna apresentaram seus Trabalhos de Conclusão de Residência, última etapa da especialização. Agora oficialmente Cirurgiões de Cabeça e Pescoço, os novos especialistas serão responsáveis pelos cuidados dos pacientes com tumores malignos e benignos que atingem essas regiões.

As pesquisas do dr. Gilberto Tenório e da dra. Cibele Coelho traçaram, respectivamente, o perfil clínico-epidemiológico dos pacientes com câncer de boca e de orofaringe atendidos no HCP em 2014. Já o trabalho da dra. Eduarda Penna abordou a sistematização e a individualização do manejo pós-cirúrgico de pacientes com câncer bem diferenciado de tireóide. Presente nas apresentações, o superintendente Geral do HCP, dr. Hélio Fonsêca, agradeceu e parabenizou os residentes, reforçando o compromisso da instituição com o ensino e a pesquisa.

medico1.JPG

Com duração de dois anos, a residência médica em Cirurgia de Cabeça e Pescoço é oferecida pelo HCP desde 2014. Para participar, é necessário possuir residência em cirurgia geral ou em otorrinolaringologia. “Nós somos uma residência muito jovem e tudo isso é muito novo para um hospital que até pouco tempo atrás era apenas assistencialista. O HCP cresce muito com as residências, pois conseguimos deixar marcado na literatura médica o que foi feito na nossa região”, frisou o coordenador da Coordenação da Residência Médica (Coreme), dr. Luiz Henrique.

“A tendência é que a nossa residência vá melhorando anualmente. Antes, os médicos se especializavam em hospitais do Rio de Janeiro ou de São Paulo e, atualmente, temos residentes que vão para fora e escolhem voltar para esta casa. Estamos indo no caminho certo”, concordou o coordenador do programa de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, dr. Phelipe Cunha, que aproveitou a ocasião para parabenizar os residentes pelas pesquisas desenvolvidas.

De acordo com o Superintendente de Ensino e Pesquisa do HCP, dr. José Peixoto, é preciso continuar a incentivar as publicações para possibilitar o fortalecimento do ensino e da pesquisa na instituição. “As publicações são fundamentais para o que crescimento da instituição e é isso que precisamos incentivar”, afirmou. 

 

Paciente celebra casamento nos jardins do HCP

casalum.jpg

Os jardins do ambulatório do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) se transformaram, nesta terça-feira (12), em um verdadeiro cenário de casamento. Em um altar improvisado em frente à capela da instituição, a paciente Léia Cristina e seu noivo, Ezequiel Levi, trocaram as alianças e disseram “sim” em meio a familiares, amigos e voluntários emocionados – além de pacientes e acompanhantes que aguardavam por suas consultas. “Eu não consigo nem explicar a felicidade que estou sentindo nesse momento, de estar aqui com pessoas queridas que me ajudaram desde o início do meu tratamento. Só temos a agradecer”, declarou Léia.

casal3.JPG

Moradora de São Benedito do Sul, Léia é paciente do HCP há três anos: em 2014, quando tinha apenas 15 anos, a adolescente descobriu um tumor ósseo no joelho. O tratamento para a doença, já finalizado, incluiu sessões de quimioterapia e cirurgia, que a deixaram com uma sequela na perna. Foi durante o tratamento, há pouco mais de um ano, que conheceu e começou a namorar Ezequiel. “Quando a conheci, ela estava com o cabelo bem curtinho, mas pra mim isso não importou. O amor quando é amor enfrenta barreiras”, afirmou.

casal2.jpg

Foi por conhecer essa história desde o princípio que a Rede Feminina Estadual de Combate ao Câncer resolveu organizar o casamento da garota. Para isso, contou com a ajuda de muitos parceiros, que se emocionaram com a história e doaram desde o vestido da noiva até os docinhos e o bolo utilizados na festa. “O câncer ósseo possui um tratamento complicado e normalmente deixa sequelas. Mas, mesmo assim, Léia encontrou alguém que a ama e que quer formar uma família com ela. Isso nos motivou ainda mais para realizar esse grande sonho e vê-la feliz. Isso, para nós, é tudo”, reforçou Maria da Paz, presidente da Rede Feminina.

Após a celebração evangélica, os noivos e os convidados participaram de uma recepção organizada no Rendarte. Foi lá também que, horas antes, Léia se arrumou para o casamento e teve a primeira grande emoção do dia: a adolescente recebeu das mãos de Cláudio Oliveira e Tereza Oliveira o presente que pediu no Natal dos Sonhos, ação organizada anualmente pela Rede Feminina. “Muitas vezes nós não temos ideia do que acontece dentro desse hospital, com essas pessoas que estão vivendo um momento difícil. É muito bonito ver tanto empenho, união e alegria”, finalizou Tereza, emocionada.

casalrendarte.jpg

 

Modelo de Administração do HCP Gestão é apresentado em Fórum Nacional

forum-foto2.jpg

O superintendente Geral do Hospital de Câncer de Pernambuco, dr. Hélio Fonseca, participou, ao lado do superintendente geral do HCP Gestão, Filipe Bitu, e da diretora do Hospital da Mulher do Recife (HMR), dra. Isabela Coutinho, do 1° Fórum ISGH (Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar), que aconteceu na última semana, em Fortaleza, no Ceará. O evento reuniu gestores das maiores instituições da área, além de representantes de órgãos públicos. Na ocasião, Filipe Bitu, proferiu palestra sobre o HCP Gestão, organização social do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) que administra o HMR e as UPAEs do Arruda, de Belo Jardim e de Arcoverde.

"Com foco na humanização, qualidade e transparência nos processos, estamos conseguindo alcançar um resultado bastante eficiente no atendimento aos usuários do SUS", destacou Bitu. Em sua primeira edição, o fórum foi palco de difusão de experiências positivas focadas na sustentabilidade, inovação, segurança e qualidade do atendimento. Já o superintendente do Hospital de Câncer de Pernambuco, dr. Hélio Fonseca, destacou como acertada a decisão da SPCC (Sociedade Pernambucana da Combate ao Câncer) de criar as Organização Social do Hospital de Câncer a fim de levar a expertise do HCP para a administração de outras importantes unidades de saúde.

Neste sentido, o Hospital da Mulher do Recife foi um exemplo significativo. A unidade, hoje reconhecida como a principal referência em parto humanizado em Pernambuco, tem atendimento de qualidade e números expressivos, em todas as suas áreas de atuação. Desde a sua inauguração, em maio de 2016, o HMR já atendeu 424.488 mulheres. Além disso, realizou 92.213 consultas; 305.426 exames; 1.954 cirurgias, 12.148 vacinas e 4.994 partos, sendo 3.717 normais e 1.277 cesáreas.

Autoestima elevada para enfrentar o câncer

dia-da-beleza.JPG

Entre tantos sentimentos que surgem em meio ao tratamento de um câncer, manter a autoestima elevada se torna mais um desafio. No Dia Internacional de Combate ao Câncer de Mama, duas maquiadoras profissionais vieram para o Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) com a missão importante de aumentar a confiança e trazer alegria para as pacientes e acompanhantes que circulavam pelo ambulatório da instituição. O resultado? Sorrisos estampados no rosto das mais de 30 mulheres que participaram da ação, realizada na manhã desta quinta-feira (19). 

Há seis meses, Gleive Inojosa descobriu que estava com um câncer no ovário. A notícia veio de surpresa, mas não afastou o bom humor e a leveza com que a paciente encara a vida. Após ter finalizado o tratamento de quimioterapia, a paciente agora espera pela cirurgia que irá fazer para a retirada do tumor. Enquanto aguardava a hora da sua consulta, Gleive aproveitou para cuidar também da autoestima. “Eu estou sempre feliz, mas existem pessoas que não conseguem estar assim em todos os momentos. Essa ação é maravilhosa porque está contribuindo para aumentar a nossa confiança”, opinou. 

Na opinião do médico e superintendente Técnico do HCP, dr. Fábio Malta, atividades como essa ajudam a aumentar a adesão das pacientes ao tratamento. “O tratamento contra o câncer, especialmente algumas quimioterapias, possui efeitos colaterais como a queda dos cabelos e o ressecamento da pele, o que afeta a autoestima feminina. Essas ações conseguem minimizar essa perda de confiança e têm impacto positivo também no tratamento”, reforçou. 

Resultado de uma parceria inédita entre o HCP e a Yes! Cosmetics, o dia da beleza integra a campanha Outubro Rosa Yes!, que irá destinar 1% de todas as vendas da marca em outubro para o Hospital de Câncer. “A nossa ação foi muito bem recebida. Dar essa oportunidade de cuidar um pouco da beleza para quem está em um tratamento de saúde como esse é importantíssimo”, destacou a sócia-fundadora da Yes!, Ketty Espinheiro.

dia-da-beleza2.JPG

Realidade virtual auxilia no tratamento de pacientes oncológicos

videogame3.JPG

Já faz algum tempo que os videogames deixaram de ser associados ao sedentarismo. Com as novas tecnologias, os jogadores podem se movimentar e se exercitar enquanto se divertem. De olho nessas novas características dos aparelhos eletrônicos, o serviço de Fisioterapia do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) está utilizando a realidade virtual oferecida por esses jogos em uma missão ainda mais nobre: auxiliar os pacientes em tratamento quimioterápico. 

Ainda recente na prática clínica de forma geral, a realidade virtual vem sendo utilizada no HCP para avaliar a perda de equilíbrio e de força ocasionada pela neuropatia periférica, doença nos nervos periféricos que é um dos efeitos colaterais da quimioterapia. “A fraqueza muscular é o maior fator de risco para quedas: se ela ocorrer, o paciente pode ter uma piora no quadro clínico. Nós trabalhamos com jogos que trazem a exigência da força muscular e do equilíbrio para avaliar se o centro de gravidade deles está alterado”, explica a fisioterapeuta e coordenadora da Residência Multiprofissional do HCP, Carina Paiva. 

A inserção da realidade virtual no tratamento dos pacientes oncológicos faz parte do Trabalho de Conclusão de Residência desenvolvido pela fisioterapeuta residente do HCP, Anna Karoline Lemos. Até agora, cerca de 40 pacientes já foram avaliados. “Quando finalizarmos a pesquisa, os resultados irão nos mostrar se o videogame e a plataforma podem realmente ser utilizados para a avaliação dessa doença bem como para o tratamento dos pacientes”, comenta Anna Karoline.

Anna Karoline destaca, ainda, que já é possível perceber resultados positivos no uso da realidade virtual para esses pacientes: entre eles, o feedback imediato que o jogo oferece e o consequente aumento da adesão ao tratamento. Os resultados finais do estudo só deverão ser divulgados no ano que vem, mas a expectativa é que, no futuro, a prática possa ser adaptada para o tratamento de outras complicações associadas ao câncer.

videogame2.JPG

Crianças do HCP conhecem a magia do Le Cirque Amar

circo.JPG

O circo francês Le Cirque Amar trouxe um pedaço da magia do circo para a criançada do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP), na manhã do último dia 9. Na brinquedoteca, espaço de convivência da enfermaria Anjo Rafael, se apresentaram palhaços, malabaristas e contorcionistas. Pipoca e algodão-doce completaram a festa dos pequenos pacientes.

O paciente Lucas de Jesus, de 16 anos, assistiu a tudo de pertinho e se encantou especialmente com o palhaço Moroco, eleito como sua atração favorita. A mãe de Lucas, Lucinete Andrade, que acompanhou toda a diversão, também achou tudo muito bonito. “Isso anima a nossa rotina e faz com que eles fiquem mais próximos da apresentação”, destacou.

A visita a instituições de saúde é um trabalho que o Le Cirque Amar realiza há 15 anos, contou Robert Stevanovich, administrador e acrobata. Para ele, foi gratificante trazer o circo ao Hospital de Câncer de Pernambuco. “O objetivo é levar alegria a crianças que infelizmente não podem ir ao circo. A gente agradece ao HCP por ceder esse espaço”, reconheceu. O acrobata Bobi Zolboo, da Mongólia, concordou: “É sempre bom ver o sorriso da criança, mesmo nas horas difíceis.” 

 

circo3.JPG

circo2.JPG

 

Casal de voluntários celebra casamento no HCP

casamento-1.JPG

O amor surge nos lugares mais inesperados. A história do casal Welna Rousy e Lucas Apolinário é um exemplo disso. O sentimento entre os dois surgiu nos corredores do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP), enquanto dra. Chuchu e dr. Apô, como são conhecidos, ofereciam, sem pedir nada em troca, sorrisos e conforto aos pacientes do Hospital. Nasceu na Enfermaria São Lucas 1º, em um gesto de coragem e um inspirado pedido de namoro por parte de Lucas. E se consolidou em frente à Capela do HCP, tendo pacientes como testemunhas de um pedido de casamento inesperado. E, no mesmo lugar, no último dia 25 de julho, eles disseram sim para dividir a vida juntos – em uma cerimônia repleta de narizes de palhaços e muita emoção.

A paixão de Welna pelo trabalho voluntário nasceu há sete anos, quando ela fundou o grupo Doutores da Felicidade. Dentro do HCP, eles fazem trabalhos de palhaçoterapia com os pacientes que estão internados. Lucas veio para o grupo alguns anos depois. E foi o amor em servir ao próximo que fez com que eles se aproximassem. O HCP, como eles fazem questão de dizer, virou a segunda casa do casal. “Tudo aconteceu aqui dentro do HCP. Por isso escolhemos esse lugar para celebrar a nossa união”, comentou Lucas. A lista de presentes de casamento repassada aos convidados, aliás, tinha apenas um item: pacotes de leite para o HCP.

Embora a roupa escolhida para o casamento tenha sido tradicional, a maquiagem dos dois chamou a atenção de quem estava nos arredores da Capela. O casal, assim como padrinhos e alguns convidados, participou da celebração com o rosto pintado e um nariz vermelho: o símbolo máximo do que escolheram ser. “Foi mais do que um sonho, porque estar aqui neste hospital é a nossa realidade, é a nossa alegria, é a nossa vida”, disse Welna. “Foi uma emoção imensa vermos não só nossos familiares e amigos de longa data, mas também os amigos que fizemos aqui, que trabalham conosco, e os nossos pacientes”, reforçou Lucas.

Após a cerimônia, já durante a chuva de arroz, a homenagem aos noivos veio em forma de música, entoada por todos os voluntários da Rede Feminina de Combate ao Câncer, em um gesto de agradecimento por todo serviço prestado pelos Doutores da Felicidade. No mesmo dia, mais de 250 pacotes, latas e caixas de leite, além de outros alimentos, foram entregues ao HCP. A campanha, agora, segue até o fim do ano fora dos muros da instituição: acontecerá em escolas, nas ruas, em todos os lugares aonde o casal for. O amor surge nos lugares mais esperados. A história de dra. Chuchu e dr. Apô é a prova disso.

casamento-2.JPG

 

casamento-3.JPG

 

 

Médico boliviano é recepcionado no HCP

aparicio2.JPG

Mais de cinco mil quilômetros separam as cidades de Recife e de La Paz, na Bolívia. A distância, no entanto, não foi um empecilho para que o dr. Aparício Flores viesse para o Brasil em busca de conhecimento. Há pouco mais de um mês, o ortopedista boliviano desembarcou na capital pernambucana e chegou ao Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) com um único objetivo: estudar no Serviço de Ortopedia Oncológica da instituição, considerado referência no Nordeste.

Formado há 12 anos pela Universidade Maior de San Andrés, na capital boliviana, dr. Aparício atua no Hospital Materno Infantil de La Paz. Lá, todos os meses, recebe novos pequenos pacientes com tumores. Como não há ortopedistas especializados em oncologia na cidade, que concentra mais de 1,5 milhão de habitantes, a amputação de membros acaba sendo o único tratamento possível para os pacientes. E é justamente essa realidade que dr. Aparício quer modificar. “Eu acredito que existem outras opções”, enfatiza.

Em uma carta enviada para a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), dr. Aparício expressou sua vontade de vir para o Brasil estudar ortopedia oncológica. O pedido chegou ao coordenador do serviço de Ortopedia Oncológica do HCP, dr. Marcelo Souza. Com o aval da instituição, o médico boliviano está cursando, desde junho, um Estágio de Especialização. Em meados de 2018, dr. Aparício retornará para a Bolívia com uma declaração em mãos, explicando tudo que aprendeu aqui.

Durante esse tempo, ele irá acompanhar toda a rotina do serviço, desde os atendimentos ambulatoriais até as cirurgias, e poderá aprender com os seus colegas de profissão e com os profissionais da equipe multiprofissional. “Com essa experiência, ele irá mudar a história da Ortopedia Oncológica de La Paz. Nós temos o prazer de colaborar”, ressalta dr. Marcelo.

Dr. Aparício diz que a infraestrutura oferecida pelo HCP para os pacientes de câncer ósseo fez com que, mesmo em pouco tempo, ele já tenha aprendido muito sobre o manejo dos pacientes, as práticas clínicas e o tratamento oncológico. “Em La Paz, não temos nenhum leito destinado exclusivamente para os pacientes com câncer. Como podemos aprender dessa forma? Aqui, são quinze leitos e vários pacientes, todos os dias”, pontua.

A escolha de vir para o Brasil, no entanto, não foi uma decisão fácil. Além do calor do Recife e da diferença entre os idiomas, o médico de 46 anos tem um desafio maior para enfrentar: a distância da família, que ficou na Bolívia. Casado e com três filhas pequenas – a menor tem apenas um ano de idade, nasceu aos cinco meses de gestação e precisa de cuidados médicos diários –, o médico boliviano precisar lidar com a saudade de casa. “A coragem de vir para o Brasil veio de Deus. A minha única motivação é a vontade de aprender. Quero ajudar os meus pacientes de alguma forma”, finaliza.

 

 

Associação Câncer Boca e Garganta conhece o HCP

associacao.JPG

O Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) recebeu, na manhã desta segunda-feira (17), a visita de representantes da Associação Câncer Boca e Garganta (ACBG), organização não governamental que atua em prol dos pacientes de tumores de boca e garganta. Fundadores e voluntários da associação, a ex-paciente de câncer de laringe, Melissa Medeiros, e seu filho, Gabriel Marmentini, saíram de Santa Catarina e seguem em campanha conhecendo os hospitais de referência e centros especializados no tratamento de câncer em todas capitais do Brasil – cerca de 40 unidades de saúde no total.

As visitas são parte do projeto Rede+Voz, cujo objetivo é promover a inclusão, a disseminação de informação e a aproximação das instituições de tratamento oncológico no País. No HCP, o grupo conheceu os serviços de Nutrição, Psicologia, Odontologia, Fonoaudiologia e Cabeça e Pescoço. A coordenadora do serviço de Fonoaudiologia do HCP, Roberta Borba, acompanhou toda a visita. “É uma mobilização nacional com hospitais de referência que atendem esse tipo de câncer, e, para integrar as ações com esses centros, nós abrimos as portas do nosso serviço”, explicou.

 

 

Avenida Cruz Cabugá, 1597, 50040-000, Santo Amaro - Recife - PE
Ligue: (81) 3217-8000
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Redes Sociais